Veja também:

30 de dezembro de 2011

Sozinha?

Na falta de ter o que fazer, misturando a chuva e o frio, resolvi ir trabalhar...
Cheguei no escritório achando que seria a única por lá, mas me surpreendo ao encontrar metade do instituto também trabalhando durante o break Natal-Ano Novo. É, o povo aqui não pára, não...

26 de dezembro de 2011

Amor de longa data...


Em meus pensamentos:
Será que eu posso? Mas, eu sou visita. Fica feio eu pedir? Meus dedos tem vontade. Ai, mas que vergonha. Será que vão achar ruim se eu pedir? Ah, não resisto:
- Posso tocar no piano da sala? 

PhD after Christmas...

e-mail recebido do orientador a meia noite do dia 26 de Dezembro: 
- O natal acabou, volte a trabalhar. 

25 de dezembro de 2011

Anyway, Feliz Natal!

Quando criança, tive a sorte de fazer o jardim de infância em uma escola Cristã, onde fui ensinada que um certo homem barbudo de roupa vermelha não existia. Embora algumas vezes, meu avo se vestiu daquela maneira para nos distribuir presentes após a ceia...
Surpreendo-me com a necessidade que as pessoas tem de criar símbolos, numa tentativa de materializar a fé.
Não foram encontrados registros específicos de uma data certa para o nascimento de Jesus. Particularmente creio que  esse tipo de informação é muito útil para nos, humanos. Mas para Deus, o tempo dEle é tao diferente do nosso... Um ano, mil anos, dezembro, julho... Qual a diferença de tudo isso para aquele que criou o tempo?
Aqui na Alemanha, mais uma vez me surpreendi durante as celebrações natalinas.
Ao que me parece, os presentes das crianças católicas são trazidos por São Nicolaus, um padre muito caridoso que viveu anos atrás, usando um manto vermelho e barba branca. Qualquer semelhança é mera coincidência...
 Já para o comércio em geral, presentes são trazidos pelo Papai Noel (Santa Klaus), o bom velhinho do Polo Norte e do comercial da Coca-Cola.
E para as famílias protestantes, quem traz os presentes é o Christkind (Criança Cristo), que seria uma volta de Jesus como criança todos os Natais. Ele supostamente aparece nas janelas das casas e deixa presentes para as crianças boazinhas. Essa foi uma invenção de nosso irmão reformista  Martin Luther, com intenções de desviar a atenção dada a St. Nicholas.
A verdade é apenas uma, o evangelho tão simples, porque insistimos em complicar?




24 de dezembro de 2011

Diferentes Natais...

Já passei o Natal com peru assado, presentes e pinheiro na sala.
Já passei o Natal comendo Ruffles e assistindo TV.
Já passei o Natal com toda a família reunida, primos, tios e muitas risadas.
Já passei o Natal longe de todos eles.
Já passei o Natal com meu Avo vestido de Papai Noel e íamos distribuindo doces para quem encontrássemos.
Já passei o Natal embalada por Cindy Lauper, Bach, e Lagoinha.
Já passei o Natal andando pelas ruas, procurando meu irmãozinho de 3 anos que havia desaparecido...
Já passei o Natal na igreja.
Já passei o Natal na praia com os amigos.
Já passei o Natal com neve.
Já passei o Natal a 36 C.

Todo ano é diferente.
Mas todo ano somos tentados a esquecer que o Natal acontece, na verdade, todos os dias. Quando a misericórdia do Senhor se renova em nossas vidas, o amor dEle, manifestado em Seu filho Jesus, nasce novamente em nossos corações.

Semana passada eu participei de cinco festas de Natal, embora o aniversariante foi mencionado em apenas uma delas... Triste, mas real.

21 de dezembro de 2011

Coisas que eu realmente gosto # 6

Começar um dia em paz...

Acordar com a claridade da manhã.
Fazer uma oração ao abrir os olhos.
Tomar café com calma, fazer um omelete com queijo, um chocolate quente (mania adquirida no Canadá).
Chegar no escritório cedinho.
Abrir as janelas, deixar o ar fresco entrar.
Antes de olhar os e-mails, antes de começar o trabalho, ler um pouquinho da Palavra.
Ela é a luz para o meu caminho, a lampada para os meus pés.
Todo o resto, vem depois apenas...

20 de dezembro de 2011

A primeira neve do inverno

roc roc roc.
Acordei pela manhã com um ruído diferente.
roc roc roc. 
Seria alguém arrastando móveis no andar de cima?
roc roc roc. 
Não, o som vinha do lado de fora. Quando olhei pela janela pude entender.
Roc roc roc, era o ruído da grande pá de metal que raspava pelo asfalto enquanto uma senhora de cabelos grisalhos removia a neve da calçada.
Neve?
Neve!


Ela chegou!
Linda, fofinha, branquinha!
Mas nessas horas eu fico muito feliz por usar o transporte público.
Os carros amanheceram cobertos de neve. Quando isso acontece, além de retirar a camada leve, também é necessário raspar o gelo das janelas e para-brisa. Limpar o gelo do carro de manhã cedo não deve ser muito animador...

14 de dezembro de 2011

Questão de Status - ambiente de trabalho

Cada lugar com suas regras.
E por aqui, para ser bem aceito existe uma porção delas a serem seguidas.

Sorria, mas não muito. Apenas o suficiente para se passar por simpático.
Fale, quando tiver algo de interessante a dizer. Não seja arrogantemente mudo.
Procure não aparentar uma imensa empolgação, mas também não demonstre o tédio. Mantenha-se em uma expressão neutra, com um ar levemente interessado. Caso alguém pergunte, diga que está motivado.
Em todo tempo, controle-se. Gargalhadas fora de hora, longos abraços, lágrimas ou qualquer manifestação de sentimentalismo exacerbado pode, e será interpretada como um sintoma de desequilíbrio mental/social.
Não comente suas mazelas, tristezas e até mesmo doenças. Ficar doente é algo que acontece, mas falar sobre a doença é algo indiscreto. A um certo nível, a doença é interpretada como um sinal de fraqueza, e os fracos são negligenciados.
É, na verdade, motivo de grande orgulho para todo alemão demonstrar que está perfeitamente bem. Talvez por um resquício da guerra, talvez por uma face do ego ser cultivada pela cultura local. A imagem mais cobiçada pelos bem sucedidos é de alguém que esteja 100% saudável, 100% trabalhando e 100% se divertindo (100% limpinho e cheiroso não conta, uma vez que banho não é prioridade). Mas no critério diversão, o tipo "party boy" não é dos mais populares. Diversão significa mencionar a imensidade de Hobbies que o proporcionam ser uma pessoa esportiva, culta e social. Citar o instrumento que toca, os Best sellers lidos esse ano e as últimas viagens para lugares como Bangkok, Deli, Istambul ou Nova Zelândia fazem parte de uma conversa rotineira na hora do almoço.
A beleza não é vista como necessidade, mas sim um dom restrito a poucos. Normalmente, pessoas muito bonitas e muito arrumadas, podem ser taxadas de "não muito inteligentes".
Pode parecer arrogante a princípio. Um tanto intimidador, para alguém que vem da divisa entre São Paulo e Mato Grosso do Sul. Eu precisei procurar todos aqueles nomes de cidades em um  mapa para saber onde ficam. Mas com o tempo, tudo se aprende... Inclusive a sobreviver dentro da floresta das vaidades.

13 de dezembro de 2011

9 de dezembro de 2011

Pega de surpresa...

Eu chego de manhã, sento na cadeira do escritório e não levanto para mais nada.
Mergulho de cabeça nas linhas do código, brigo com a Sra. Convergência e tento esboçar algumas linhas para um paper nos intervalos entre uma simulação e outra. 
Depois de algumas horas nessa situação, quando estou no auge da minha concentração, chega o chefe, que vai até minha mesa e me dá um susto:
-Olá, o que voce achou de "Lin Ho"
Lin Ho? Penso eu. O que vem a ser isso? Permaneço a olhar para ele, e dentro do meu NeoCortex um interminável loop percorre os vetores de minha memória tentando identificar em qual idioma essa palavra se encontra. Inglês? Não. Alemão? Não... E os segundos de silencio são preenchidos por um uma divergência  claramente estampada em meu rosto. 
- Lin Ho, segunda-feira! No ciclo de palestras, você deveria ter estado lá!- Disse ele.
Ciclo de palestras! Ah, convergiu! Lin Ho deve ser o nome do chinesinho que apresentou a palestra na segunda-feira, só pode ser isso!
- Sim é claro que eu estava lá. Acontece que diferenciar esses orientais todos já não é uma tarefa fácil. Saber o nome deles em uma situação totalmente fora de contexto, aí já é algo do meu domínio. Por favor especifique melhor os seus dados de entrada. 

8 de dezembro de 2011

Acontece

... que na Europa tambem ha muitos mendigos.
Porem esses mendigos importados sao intelectualmente um tanto mais dotados que os mendigos convencionais.
Uma vez andando pela estacao, fui abordada por um deles que me disse:

- Könntest du mir einen Euro geben? (Voce poderia me dar um Euro?) 


Ai eu me finjo de desentendida e respondo em Portugues mesmo: 


- Ai moco, nao entendo nada, desculpa...


O mendigo entao, demonstra suas habilidades: 


- Do you speak english? Can you give me one Euro please?



4 de dezembro de 2011

Coisas que eu realmente gosto # 5

Mercado de Natal

18:00 da tarde no centro da cidade em Dezembro
todo ano a mesma coisa
salsichas e mais salsichas
muito vinho quente
crepes, waffles, e outros doces